Sinopse: Beauty and the Beast is one of the most classic tales ever written. A beautiful daughter dreams of meeting a handsome prince, but in order to save her father's life, she leaves home to live with a terrible, frightening beast. Though her patron is hideous, his disarming generosity slowly leads to a surprising connection. Generations of children have been fascinated by the story of the girl named Beauty, who grows to love a fearsome beast by learning to see and cherish his kindness, generosity, and intelligence.

OpiniãoA Bela e o Monstro é um conto-de-fadas intemporal que povoou a infância de um número demasiado grande de adultos, um conto-de-fadas que ainda consegue maravilhar crianças pelo mundo fora e que é, neste momento, mais conhecido pela sua adaptação animada.
Para além dos livros infantis que são uma cópia transcrita do filme da Disney, não conhecia a versão de Jeanne-Marie Leprince de Beaumont que rescreveu o conto de Gabrielle-Suzanne Barbot de Villeneuve, a autora original, em 1756. O conto original La Belle et la Bête, data de 1740, pelo que é realmente antigo, um pormenor que escapava ao meu conhecimento, pelo que foi uma surpresa.
É diferente. É realmente muito diferente. Para os mais familiarizados com a versão da Disney, as semelhanças existem quer seja pela rosa que Beuty ou Bella pede ao pai, quer seja pela transformação do Monstro ou Beast novamente no Príncipe.


No entanto, na versão de Jeanne-Marie Leprince de Beaumont as diferenças são igualmente abismais e é extremamente interessante perceber a forma como Jeanne-Marie Leprince de Beaumont interpretou a história de Gabrielle-Suzanne Barbot de Villeneuve onde havia apenas 16 anos de diferença, e a forma como a Disney interpretou 252 anos depois.
Penso que, a versão de 1756 dá a Bella uma maior opção de escolha, tendo em conta que para muitos, A Bela e o Monstro representa uma relação baseada no Síndrome de Estocolmo. Mas, em simultâneo, a mensagem do "ama para lá das aparências" está muito, e repito muito, mais marcada na versão de 1756 do que no filme da Disney, agora um live-action.
A Bela e o Mostro de Jeanne-Marie Leprince de Beaumont é um livro pequeno, as páginas voam, a escrita é simples e fluída e, para mim, mais importante, tem a tonalidade de um conto-de-fadas. Ler em voz alta é uma experiência maravilhosa porque quer os diálogos, quer as descrições transportam-nos para um mundo de magia. Mas, ao mesmo tempo, sendo um conto-de-fadas, o desenvolvimento e a própria personalidade da protagonista só nos é dada em pequenos fragmentos ou em pequenas descrições, pelo que apenas podemos aceitar a personalidade de Bella ou Beauty, pelo aquilo que nos dizem.
Mas, para os mais curiosos, aconselho vivamente.
Outros contos-de-fadas
*A Bela e o Monstro - adaptação cinematográfica aqui


Deixe um comentário

Tens uma opinião? 3,2,1 GO