Opinião: Lembro-me de que, quando vi o official trailer pela primeira vez, caiu-me tudo aos pés. Adorei cada aspecto, parecia uma adaptação fiel, o que é raro, especialmente quando há vários elementos fantásticos, os actores pareciam interpretar a essência dos personagens, a introdução é maravilhosa, foi de provocar arrepios e a banda sonora estava no ponto. A expectativa estava para lá da estratosfera.
E depois, veio o filme.
Quando o vi pela primeira vez, no dia de estreia, a minha desilusão não era sequer, mensurável. Tudo o que eles podiam estragar, estragaram. Valentine Morgenstern, o antagonista da história, alguém descrito nos livros como carismático, atraente e manipulador é, no filme, uma versão de rua do Capitão Jack Sparrow, de Os Piratas das Caraíbas. Não posso sequer, "culpar" o actor que é, fantástico, mas o guião, o script, que devia ter sido revisto pelo menos mais umas vinte vezes. É o que acontece quando a autora não está envolvida nos projectos MOVIE PEOPLE!
Num tom mais positivo, adorei a sequência de acção do rapto e a do Hotel Dumont (Dumort). Uma cena que não pareceu mecanizada, mas sim natural e, não tenho nada a apontar. A adição de Isabelle e Alec foi bem-vinda, já que houve a possibilidade de vermos Isabelle e o seu chicote em acção, MAS, os produtores, as pessoas responsáveis pelo filme, criaram uma quantidade incrível de cenas desnecessárias, uma delas, a pior, é a cena do Portal, com a bolha de água flutuante.
O QUE É AQUILO? E essas pessoas, acharam por bem explicar que Bach, foi um Caçador de Sombras e adicionaram uma forma melodiosa de desvendar demónios (*atiro as mãos ao ar em desespero*) Não percebo porque é que o "pai" de Clary teve de morrer quando ela tinha 2 anos e não antes de nascer, ou como é que ela ainda diz que "em todos os anos que conheceu Luke, nunca teve na casa dele" WTF?
Há alguns diálogos cómicos, outros nem tantos. O foco do livro é sobretudo Clary e o Mundo das Sombras, no entanto, penso que o filme baseou-se demasiado na relação entre Clary, Jace e mesmo Simon e, vi algures uma entrevista que houve a preocupação de explicar, desde cedo, a "relação" entre Clary e Jace para os espectadores mais novos.
PORQUÊ PESSOAS?
PORQUÊ ESTRAGAR UMA ÓPTIMA SURPRESA?
PORQUÊ ESTRAGAR UM PLOT TWIST PERFEITAMENTE RAZOÁVEL?
PORQUÊ?
Não percebi a personagem do Hodge. Agorafobia? A maldição da Clave é justificada por uma fobia? PORQUÊ?
É impossível ver o filme A Cidade dos Ossos como fã do livro. É impossível. Não percebo como é que mesmo antes do filme estrear, já estavam a prever uma sequela. COMO? Questiono. COMO? Até mesmo Magnus, um dos personagens mais magníficos, especiais e brilhantes criados por Cassandra Clare apareceu em meia dúzia de cenas e, em cada uma delas, tinha tanto "sal" como um copo de água da torneira.
A forma como as explicações são dadas, de o Portal ser como o Triângulo das Bermudas ou a forma como ela escreveu Magnus Bane no chão, até mesmo a forma como exploraram a situação vampírica de Simon foi, à falta de melhor palavra, ridícula. Não percebi a explosão de luz no céu de Nova Iorque, ou a entrada de demónio no Instituto, ou até como Simon sabia que os lobisomens eram bons quando não teve qualquer contacto com eles. De repente, Jace também tem um bloqueio na mente, nem sequer sei de onde é que isso veio. Luke nunca vê Valentine. Clary deixasse ser consolada por Valentine e Jace é o primeiro a saber da relação dos dois. E, para cúmulo, Valentine desaparece ao estilo de Elsa em Frozen.
Em relação ao final, lembro-me que não conseguia parar quieta na cadeira, as minhas mãos não paravam de voar em direcção a todos os cantos da sala. A cena em que Jocelyn, maravilhosamente interpretada por Lena Hadley, mexe o dedo, eu perdi o controlo. E, quando Clary limpa a casa à Harry Potter style, a fé que ainda existia, evaporou. RIDÍCULO. ABSOLUTAMENTE RIDÍCULO. Sinceramente, preferia que tivessem deixado o livrinho na prateleira, com os seus direitos de autor quietinhos.
Para atenuar o desgosto, houve bons momentos cinematográficos, a maior parte deles, incidiu sobre a paisagem de Nova Iorque e sobre a Cidade dos Ossos e os Irmãos Silenciosos. Por outro lado, houve mudanças de cenas onde cabelos desgrenhados tornam-se perfeitos e, sim, estou a pegar em tudo, porque nada me fez sentido e os livros são excelentes.
Outros títulos das Crónicas dos Caçadores de Sombra por Cassandra Clare
*A Cidade dos Ossos - adaptação cinematográfica: aqui


*Lord of Shadowns (sem data de publicação)
*Queen of Air and Darkness (sem data de publicação)

*Chain of Thorns (sem data de publicação)
*Chain of Gold (sem data de publicação)
*Chain of Iron (sem data de publicação)

*The Wicked Power #1 (sem data de publicação)
*The Wicked Power #2 (sem data de publicação)
*The Wicked Power #3 (sem data de publicação)

*Tales from the ShadowHunter Academy (publicado em short-stories - por enquanto)
*The Shadowhunter Códex

Outros livros da autora
*A Manopla de Cobre
*Magisterium #3
*Magisterium #4
*Magisterium #5


Deixe um comentário

Tens uma opinião? 3,2,1 GO