Sinopse: Seis meses após ter salvaguardado a terra onde se encontra o portal de Avalon, Laurel tem de regressar ao reino das fadas para passar o Verão, a fim de aperfeiçoar as suas habilidades como fada do Outono. Contudo, a família e os amigos ainda se encontram em risco - e a entrada para Avalon está em perigo, agora mais do que nunca. 
No momento em que impreterivelmente tem de proteger aqueles que ama, Laurel tem de aliar os seus dotes feéricos ao que há de humano em si para conseguir combater o inimigo. Nesta batalha, irá Laurel pedir ajuda a David, o seu namorado humano? Ou recorrerá ao magnetizante Tamani, por quem sente uma atracção irresistível? E será o coração de Laurel feérico, ou já demasiado humano?


OpiniãoDepois de A Elite, de Kiera Cass (cuja opinião podem ver aqui), foi-me extremamente difícil "entrar" noutro livro, com um universo fantasioso e com uma protagonista tão diferente. A verdade é que, Laurel não melhora. Na minha opinião do Beijo dos Elfos, que podem ver aqui, eu comparava a personalidade de Laurel a um camaleão e que só comecei realmente a gostar dela quando os seus defeitos começaram a aparecer, mas em Feitiços, Laurel é apenas uma adolescente mimada e egoísta.
Mais uma vez, é um livro fácil de ler - uma leitura agradável. E, embora tivesse achado que a forma como a autora desenvolveu os traços de fada em Laurel fosse muitíssimo interessante, não sou particularmente fã do universo que ela criou. Não pelo conceito em si, mas pela forma como o desenvolveu e relacionou com o mundo humano - Eva? Oberon? Shakespeare? São formais fáceis de criar um mundo, mas nada apelativas, pelo menos, na minha opinião.
As minhas passagens preferidas continuam a ser as de Tamani porque é quando, sinceramente, alguma coisa de interessante se desenvolve, seja pelas discussões, pelas descobertas, pela teimosia, pelo desenvolvimento do conflito em si. E, por isso, adorei Avalon, apesar de não gostar da sua ideia, pelo que continuei a imaginá-la como uma vilazinha, algures no nosso mundo. A hierarquia social é interessante e, sem dúvida, um dos pontos mais altos do livro que contraria os muitos pontos baixos, entre eles, Klea, uma caçadora de troes.
Não gosto dos trolls. Não gosto da forma quase fácil com que Laurel escapa sempre sem nenhuma baixa. As mortes, a sensação de que podemos perder um dos nossos personagens preferidos é o que nos faz, em primeiro lugar, importar com o destino dos protagonistas neste género de livros. Nunca senti isso em O Beijo dos Elfos ou Feitiços. David, Chelsea, Tamani e até Shar, estão seguros.
Há imensas boas ideias, uma delas, o passado de Laurel, porque não explorar um pouco mais? Shar, o elfo mais interessante para além de Tamani por não tratar Laurel como se ela não passasse de uma princesa há muito perdida. O mesmo para Mara. Shar, adorava ter visto mais dele, o mesmo para Tamani e até para Yasmine a pequena elfa do Inverno. A reação conturbada que Laurel agora tem com a mãe. Mas a autora foca-se demasiado no mundo humano, em Laurel e a escola e David e Chelsea, esta última uma autêntica anedota no que toca a "importância". Ainda me questiono "porque é que ela aparece?". E como é que ela soube? A primeira conclusão que se tira é que a melhor amiga é uma fada? Parece-me pouco provável. Há demasiada "palha". Há quase um capítulo inteiro para descrever uma cena de ballet elfico!!! Há demasiado coisa que não interessa e que acaba por tirar o gosto ao livro.
Outros títulos da colecção: 
*O Beijo dos Elfos
*Feitiços
*Ilusões
*Destined


Deixe um comentário

Tens uma opinião? 3,2,1 GO