Sinopse: Cassel Sharpe é um jovem de dezassete anos que deseja ter uma vida normal. Mas quando se nasce numa família com uma forte tradição em manipulação de maldições que agem negativamente sobre o destino, o corpo e a memória, como é o seu caso, a normalidade não é algo fácil de alcançar. Cassel vive ensombrado pela ameaça aterradora de, a qualquer momentos, os poderes maléficos que correm na sua família se manifestarem também em si. Por diversas vezes, a sua vida é posta em risco quando, em sucessivos episódios de sonambulismo, passeia pelos telhados do colégio interno que frequenta. De volta a casa, os seus receios aumentam com o reavivar de memórias passadas e torna-se cada vez mais claro para Cassel que um tenebroso segredo familiar ameaça destruí-lo. Desejoso de perceber quem realmente é, o jovem inicia uma autêntica cruzada de autodescoberta, confrontando-se com traumas dolorosos à medida que estranha e enigmáticas personagens atravessam o seu caminho, levando-o a enfrentar perigo cada vez maiores. 

OpiniãoHolly Black possui vários livros conhecidos, entre os quais As Crónicas de Spiderwick, no entanto, para além da A Prova do Ferro em co-autoria com Cassandra Clare, foi a primeira vez que li um livro seu. É, sem dúvida um livro original na construção do seu universo, com personagens muito bem desenvolvidas, com dilemas reais e com algumas questões, diria eu, morais, pelo meio, uma vez que se trata sobretudo, de uma história sobre vigarices, mas não só. A base da história é construída à base de um mistério, relacionado com o personagem principal, Cassel Sharpe, de dezassete anos de idade, o mais novo de três irmãos e membro de uma família onde todos são manipuladores, excepto ele.
Manipulares. A história ronda um universo alternativo onde há "especialistas" ou "manipuladores", por outras palavras magia. Holly Black desenvolveu uma série de diferentes tipos de manipuladores sendo o seu talento o que dita o poder ou a importância que cada um tem na hierarquia estabelecida.
As maldições podem ser realizadas para o bem ou para o mal com um simples toque de mão, - pelo que a sociedade de manipuladores e não-manipuladores é vista constantemente com luvas - mas cada manipulação encerra uma consequência em si, seja a nível do corpo (alterações temporárias) e ao nível da mente (perdas de memória). Temos os manipuladores da sorte, mais comuns, os manipuladores das emoções, da memória, do sonho, da morte e, os mais raros de todos e por isso mais valiosos, os manipuladores da transformação que, com apenas um toque, podem transformar um humano, numa jarra de vidro, num animal - basicamente em qualquer coisa.
Cassel Sharpe e a sua família possuem não só laços fortes entre si com um sentindo de família inabalável, mas igualmente laços muito fortes com a máfia - a família Zacharov. Cassel é o mais novo de três irmãos e, ao contrário do resto da sua família não é um manipulador.
A Gata Branca começa com a quase morte de Cassel Sharpe depois de uma crise de sonambulismo que quase o levou a saltar do telhado do colégio interno que frequenta. Sendo suspenso é obrigado a passar mais tempo com a sua excêntrica família, nomeadamente os irmãos e o avô. No entanto, os sonhos com uma gata branca começam e tudo parece descambar.
Aqui os irmãos e o avô têm uma importância fundamental para o desenvolver da história e, o background e a forma como é desenvolvido é brilhante. Nas suas remanescências ao passado ficamos a conhecer Lila, a herdeira do Zacharov, melhor amiga de Cassel, assassinada por Cassel. Mas ele não se lembra. As dúvidas estão na mesa e é quando a verdadeira emoção começa.
Apesar da história nos levar a acreditar numa coisa, são nos dadas pistas do óbvio. Cassel é um manipulador da transformação cujas memórias têm vindo a ser alteradas pelo seu irmão Barron, manipulador da memória. Cassel, transformou Lila, cujo primo Anton queria assassinada, numa gata branca, mas quando Barron lhe removeu as memórias, colocou-lhe outras - a do assassinato.
Cassel é uma personagem muito bem retratada: um jovem de dezassete anos, imprevisível, mentiroso e vigarista. Lila é uma das personagens mais fortes, sem contar com o protagonista. É uma rapariga decidida, corajosa, arrogante e, como Cassel, imprevisível. O final é de partir o coração, mas espera-se mais, uma vez que é o primeiro volume do que será uma trilogia. Para os próximos capítulos espero uma história baseada mais ao nível político, uma vez que em A Gata Branca são nos dadas pequenas ideias de uma proposta que visa o registo (?) de todos os manipuladores de forma a que possam ser controlados e, pela mãe de Cassel - uma manipuladora de emoções - bem vemos que precisam.
A narrativa é extremamente lenta ao início e, por algumas vezes, vi-me forçada a continuar quase sem gosto. Mas é o ritmo lento que permite uma total e completa compreensão do mundo dos manipuladores e da relação entre a família Sharpe e a máfia. É um livro repleto de dúvidas e perguntas, quase uma jornada pela verdade, com uma conclusão mais do que brilhante. É uma história rica em detalhes, com novidades em cada página.
Outros títulos da autora: 
*A Gata Branca
*Red Glove
*Black Heart

Outros livros da autora
*A Manopla de Cobre
*Magisterium #3
*Magisterium #4
*Magisterium #5


Deixe um comentário

Tens uma opinião? 3,2,1 GO